17 de dez de 2005

Tocando na cachola



"Dentro da baleia mora mestre Jonas
Desde que completou a maioridade
a baleia é sua casa, sua cidade
dentro dela guarda suas gravatas, seus ternos de linho

e ele diz que se chama Jonas
e ele diz que é um santo homem
e ele diz que mora dentro da baleia por vontade própria
e ele diz que está comprometido
e ele diz que assinou papel
que vai mante-lo preso na baleia até o fim da vida
até o fim da vida

dentro da baleia a vida é tão mais fácil
nada incomoda o silêncio e a paz de jonas
quando o tempo é mal, a tempestade fica de fora
a baleia é mais segura que um grande navio

e ele diz que se chama Jonas
e ele diz que é um santo homem
e ele diz que mora dentro da baleia por vontade própria
e ele diz que está comprometido
e ele diz que assinou papel
que vai mante-lo preso na baleia até o fim da vida
até o fim da vida
até subir pro céu
"
(Mestre Jonas, Sá Rodrix & Guarabira)

'Por coincidência', assisti hoje na Cultura (CineClub Brasil) Durval Discos (filme brasileiro 'bastantemente' recomendável - se você não se importa muito com uma boa dose de doideira), em cuja trilha sonora consta essa preciosidade musical. Site oficial : este.

Ah, teve também Dois Filhos de Francisco esta semana, e eu chorei sim na cena das crianças em cas... ops, não conto. Vão ver e chorem também. Destaque especial para a Dira Paes, como sempre (para mim, é das melhores da atualidade). Gostei do filme, e até da trilha sonora (música caipira mais tradicional), mesmo de É o amor. Não que eu vá comprar um disco do Zezé de Camargo e Luciano por conta disso, certo, mas a trilha talvez até eu comprasse, num sabe, se o dinheiro sobrasse...

Nenhum comentário: