30 de mai de 2006

É raro...

... mas há vida sim nos emails que às vezes recebemos.

Para refletir um pouco sobre esta realidade(?) que vivenciamos neste mundo de telas e fios. Para nunca nos perdermos do verdadeiro mundo.

"Mundo virtual

Entrei apressado e com muita fome no restaurante. Escolhi uma mesa bem afastada do movimento, pois queria aproveitar os poucos minutos que dispunha naquele dia atribulado, para comer e consertar alguns bugs de programação de um sistema que estava desenvolvendo, além de planejar minha viagem de férias que a tempos não sei o que são.

Pedi um filé de salmão com alcaparras na manteiga, uma salada e um suco de laranja, afinal de contas fome é fome, mas regime é regime né?

Abri meu notebook e levei um susto com aquela voz baixinha atrás de mim:
-Tio, dá um trocado?
-Não tenho, menino.
-Só uma moedinha para comprar um pão.
-Esta bem, compro um para você.

Para variar, minha caixa de entrada esta lotada de e-mails. Fico distraído vendo poesias, as formatações lindas, dando risadas com as piadas malucas.

Ah! Essa música me leva a Londres e a boas lembranças de tempos idos.

-Tio, pede para colocar margarina e queijo também.
Percebo que o menino tinha ficado ali.
-Ok. Vou pedir, mas depois me deixe trabalhar, estou muito
ocupado, tá?

Chega a minha refeição e junto com ela meu constrangimento. Faço o pedido do menino, e o garçom me pergunta se quero que mande o garoto ir embora. Meus resquícios de consciência, me impedem de dizer. Digo que esta tudo bem.. Deixe-o ficar. Que traga o pão e, mais uma refeição descente para ele. Então ele sentou á minha frente e perguntou:
-Tio o que está fazendo?
-Estou lendo uns e-mails.
-O que são e-mails?
-São mensagens eletrônicas mandadas por pessoas via Internet (sabia que ele não ia entender nada, mas, a título de livrar-me de maiores questionários disse):
-É como se fosse uma carta, só que via Internet.
-Tio você tem Internet?
-Tenho sim, essencial ao mundo de hoje.
-O que é Internet ?
-É um local no computador, onde podemos ver e ouvir muitas coisas, notícias, músicas, conhecer pessoas, ler, escrever, sonhar, trabalhar,aprender. Tem
de tudo no mundo virtual.
-E o que é virtual?

Resolvo dar uma explicação simplificada, novamente na certeza que ele pouco vai entender e vai me liberar para comer minha refeição, sem culpas.
-Virtual é um local que imaginamos, algo que não podemos pegar,tocar. É lá que criamos um monte de coisas que gostaríamos de fazer. Criamos nossas fantasias, transformamos o mundo em quase como queríamos que fosse.
-Legal isso.. Gostei!
-Mocinho, você entendeu que é virtual?
-Sim, também vivo neste mundo virtual.
-Você tem computador?
-Não, mas meu mundo também é desse jeito... Virtual. Minha mãe fica todo dia fora, só chega muito tarde, quase não a vejo, eu fico cuidando do meu irmão pequeno que vive chorando de fome e eu do água para ele pensar que é sopa, minha irmã mais velha sai todo dia, diz que vai vender o corpo, mas não entendo, pois ela sempre volta com o corpo, meu pai está na cadeia há muito tempo, mas sempre imagino nossa família toda junta em casa, muita comida, muitos brinquedos, de natal e eu indo ao colégio para virar medico um dia. Isso é virtual não é tio?
Fechei meu notebook, não antes que as lágrimas caíssem sobre o teclado.
Esperei que o menino terminasse de literalmente "devorar" o prato dele, paguei a conta, e dei o troco para o garoto, que me retribuiu com um dos mais belos e sinceros sorrisos que já recebi na vida e com um "Brigado tio você é legal!".
Ali, naquela instante, tive a maior prova do virtualismo insensato em que vivemos todos os dias, enquanto a realidade cruel rodeia de verdade e fazemos de conta que não percebemos!
"

24 de mai de 2006

Aos Filhos de Gêmeos em Maio, 26



"Curioso, dispersivo
Você sempre tem algo a dizer
Signo dos opostos
Signo dos vizinhos
Gêmeos há de ser:
Cada planeta, cada riso
Em cada esquina que houver
Cada extremo reunido
Cada homem gêmeo da mulher.
Gêmeos como a luz do dia
É vizinha do anoitecer
Gêmeos chuva, e quem diria
O sol que brilhará
Dor e prazer
Cada planeta, cada riso
Em cada esquina que houver
Cada extremo reunido
Cada homem gêmeo da mulher
"
(Oswaldo Montenegro - do musical A Dança dos Signos)



Parabéns prá você
nesta data querida
muitas felicidades
muitos anos de vida!


Este pobre blog tem a infelicidade de completar anos na mesma data de sua dona, uma criatura (do bem) que nunca tem tempo para ele em seu mais importante dia. Sim, amanhã será um dia longo, graças a Deus. Portanto, 25 de maio, para vocês, é 26 de maio, e está aqui o que deveria estar amanhã. Fazer o quê. Tó um pedaço do bolo que a Luci me deu ano que passou, congelei, e trago de volta para vocês:





Meus caros amigos, aproveito meu aniversário para agradecer a presença de todos que vem aqui ler estas abobrinhas que com amor escrevo. Hoje num tem discurso, estou meio que disposta a ser feliz amanhã.

Beijos mil.

23 de mai de 2006

Amor revelado não é amor: é uma estrada chamada paixão, ao fim da qual abre-se o trevo que encaminha ao amor real ou a destruição. Destruição do que esteja ao alcance. Amor real que dispensa apresentação.

Amor tem hora de chegar. É como escreve o poeta, "amor é sorte". Mas não chega do nada. Constrói-se, é empenho. Plantar e colher. Nem sempre se colhe, feita a semeadura, porém. O plantar é apenas paixão. Sem a sorte, "o dedo de Deus", que escolhe os agraciados, não vinga a semente; colheita, amor, não há, restando a paixão finda em terra nua.

É longo e numeroso o dedo de Deus, muitos ele escolhe. O respirar da terra, contudo, é sabedoria só daqueles que ama as próprias mãos. Amor é ser de melindres, odeia solidão. Não entra onde já não está, na forma da luz própria irradiada do ser que se conheceu e se encontrou. Há, pois, que buscar-se, na busca pelo amor. Que amor é conhecimento; e conhecimento é tempo; e o tempo, este nunca se finda no semear renovado de cada estação. Aos apaixonados da desilusão não sobra, portanto, apenas o enervar-se nos campos desérticos do desamor, dos desejos sem freios, dos poços negros da melancolia. É paciente o criador maior com suas criaturas, incansável e amoroso. Está sempre a estender suas benesses e distribuir os presentes da sorte a seus filhos amados.


"Amor é um livro, sexo é esporte
Sexo é escolha, amor é sorte
Amor é pensamento, teorema
Amor é novela, sexo é cinema
Sexo é imaginação, fantasia
Amor é prosa, sexo é poesia
O amor nos torna patéticos
Sexo é uma selva de epiléticos
Amor é cristão, sexo é pagão
Amor é latifúndio, sexo é invasão
Amor é divino, sexo é animal
Amor é bossa nova, sexo é carnaval
Amor é para sempre, sexo também
Sexo é do bom, amor é do bem
Amor sem sexo é amizade
Sexo sem amor é vontade
Amor é um, sexo é dois
Sexo antes, amor depois
Sexo vem dos outros e vai embora
Amor vem de nós e demora
"
(Arnaldo Jabor/Rita Lee/Roberto Carvalho)

19 de mai de 2006

Sexta-feira



Um dia frio, destes intensamente raros nesta cidade caldeirão. Acordar cedo, estranhamente disposta. Recusar a água. Sorver a solidão de neblina da matina de poucos seres à rua, na saída para a vida quase sossego. Sentir-se bem.

Ter prazer em atividades corriqueiras. Rir dos patos que buscam se abrigar sob o teto para homens, alheios ao belo jardim que lhes serve. Ouvir jovens palavras de conhecimento. Ser vista. Ouvir semblantes maduros a disser seus dias. Calar-se, aprendiz.

Aborrecer-se por coisas pequenas, logo passam. Pés n’água.

Chegar. Aguardar. Rever. Deixar-se estar em paz, movimento que retorna sossego no olhar do outro. Chamar. Confraternizar, ver o riso, sorver sorrisos. Ser abraçada. Ouvir e falar e ouvir e falar.

Decidir sem ilusões. Reter a breve gota de caos que se agita. Sorvê-la. Seguir.

Retornar aos seus. Paredes que serenam, aquecem. Conceder-se prazeres. Um livro, uma rede. Algumas páginas, pensamentos mansos. Um sono, um sonho.

A noite chega, sem pressa. E nada espero.

Bom final de semana para todos vocês.

18 de mai de 2006

Vírus no Orkut?

Abro o MSN por acaso (mesmo, não tenho o hábito) e me deparo com um email do hotmail: Élida escreveu um recado. Como conheço uma Élida, vou lá ver. De repente, peralá... Não conheço esta Élida. Prá completar a moça me convida para visitar seu blog, pois ela instalou uma webcam onde poderei ver seu "corpo lindo e sensual". Eu mereço... Mas não estou aqui contando isto tudo de graça, para vocês irem procurar a Élida no Orkut. Ocorre que o link que a moça indicava apontava para outro página (colocando o mouse sobre o link, sem clicar, surge o endereço de direcionamento), o que é uma ocorrência típica do envio de vírus por email. Em geral, o link real é um poço de contaminação viral. Ou seja, a prática parece estar se disseminando também nos recados do Orkut. Fiquem atentos, usuários do Orkut interessados em corpos lindos e sensuais...

Maio não é só choro e vela, também é utilidade pública...

São Paulo

Um bom relato a ser lido, por uma paulistana que viveu tudo aquilo. Ela diz assim:

"Hoje as coisas ainda não estão normais. O que parece é que todos estão fazendo um esforço para voltar à rotina. Mas alguma coisa o paulistano perdeu nessa história. Ainda não sei o que foi. Não foi segurança, porque a cidade, como qualquer metrópole, nunca foi totalmente segura. Não foi também a calma. Mas talvez tenha sido aquele mínimo de tranqüilidade, aquela que nos leva a fazer planos simples, como onde tomar uma cerveja com os amigos no dia seguinte."
(Vilma - do blog Enfim, meu blog)
Trazer a alegria à alguém é sempre um ato que se eleva em meio à balbúrdia qualquer, sem nos retirar energia, porém. Ao contrário. Um gesto ou palavra que faz bem e, se por um instante o outro te olha e sorri, esta troca destaca-se da realidade como prêmio raro, brilha, e tudo em torno não mais possui som, cor, forma ou movimento. Incólume ao que resta abaixo, o bem que se fez é cristal agora parte de outro véu, em uma natureza próxima, não mais entretanto presente neste planeta...

""Tudo vale a pena quando a alma não é pequena."
(Fernando Pessoa)

13 de mai de 2006

Essa moça...

... se chama talento.

Uma breve amostra do que vocês podem encontrar no blog Meus Rabiscos, da Lu Farias, minha parceira querida, e uma ilustradora e desenhista porreta!






Lu, mudando só um pouquinho de assunto, não vá trocar a música pelo desenho, hein?

11 de mai de 2006

Aos Filhos de Touro



"Topei com a estrela bailarina na rua
dançando um rock
em frente a uma vitrine, toda sexy,
vidrada num anúncio de batom no vidro,
preso com durex (dura lex - sed lex).
Um carro, um vestido e um brinco de ouro,
presente de um rico industrial do signo de touro
(dura lex - sed lex)

Quando é touro é um meio fecundo
em cada semente plantada um sorriso de gratidão.
Quando é touro é um meio fecundo
em cada semente plantada um sorriso de gratidão,
haja bom tempo ou não."

(Oswaldo Montenegro/Xico Chaves - do musical A Dança dos Signos)

Agora, Aragorn, a interpretação para Dona Lu (oia, num se nega pedido de Dona Lu, visse...). A máxima conclusão que pude extrair em gestos rápidos foi a de que, pelo jeito, o Oswaldo não gostou de nenhuma taurina...

Ah, Dona Lu, eu me lembrei da sua foto na banheira, lendo esta letra, juro por Deus, kkkkkkkkkkk...

10 de mai de 2006

"Era uma vez um lobo mau..."

Hoje me lembrei do Lobo Bobo. Que coisa estranha compreender por meio de uma ferramenta tão pouco humana, como esta máquina que está diante de meus olhos, que não é a vida esta mera realidade que estes mesmos olhos enxergam. Este entrecruzar de energias que se completa nesta rede é uma prova disto. E energia não se vai quando se vão as pessoas que a reteram enquanto neste solo. O Lobo Bobo é a prova disto. Ele se foi e a gente nunca o viu, mas ele esteve aqui e permaneceu um pedaço dele na gente. Olha que poder nisto que ele escreveu, antes de ir embora.



"Há vezes em que a dor de existir é tão intensa, que precisamos morrer um pouco. Matar o que há dentro de nós mesmos não é tarefa banal. Disse um velho sábio americano de pseudônimo Mark Twain: "Na dúvida, diga a verdade". Lidar com a realidade por vezes é tão duro, que precisamos nos esconder dela. Há aqueles que enchem a cara, outros que se enfiam nas drogas... outros, como eu, fantasiam vidas inexistentes e as vivem como se reais fossem. Por anos, assumi uma personalidade que realmente era minha, mas vivendo em corpo algum. Muitos dos amigos que fiz desde então, tem a certeza absoluta que eu sou mesmo aquele aventureiro impulsivo, inconsequente, apaixonado e incontrolável. Talvez o seja, mas somente em minha mente. Vivi dentro de sonhos por não suportar a medíocre vida que me foi dada. Pois bem... foi duro ter que matar o Lobo. Mas ele já estava dando sinais que destruiria algo mais que eu mesmo. Começara a ser não somente a figura mítica montada na sua Harley Davidson e por opção morando no campo, refúgio seguro para seu descanso, mas tomava forma... destruidora e tátil, inescrupulosa e vil, ao se apresentar real e não virtual. Podem alguns pensar que uma mentirinha virtual é bobagem, não faz mal à ninguém, mas à mim fez. E se não sou desperto por insight fulminante, arrastaria outros ao abismo comigo. Não mais... não mais... No more lies. Por mais tediosa e desinteressante que seja a minha vida, é a única que tenho."

É mórbido falar da morte e dos mortos? Não é. A vida é aprendizado e a morte e a vida se completam. Preocupa-me que, os que me lêem e, hoje sei, gostam de mim, imaginem tragicidade em meu instante. Não é. Estou num momento especial da minha vida. Estou desfazendo um duro nó. Está sendo bom. Eu queria que todos vocês também desfizessem os nós que desatam as suas vidas, junto comigo, porque nossa energia está no ar, e é ela que mantem este mundo vivo.

9 de mai de 2006

Conselho do dia

Quer ser feliz?
Viver bem a vida?
Destrua seus mitos
e siga para a alegria.



"Vejo, exato,
do sol que me ofusca,
o lampejo,
e que diz sem cessar,
cão maldito,
destrói de uma vez este mito.
"
(o nome do poeta não pode ser dito e não é o meu nome)

Faz-me rir...

Alguém com uma piada boa aí prá contar? Dessas feitas prá esquecer uma besteira cometida (isso "inxiste", sô?)...

7 de mai de 2006

Vamos brincar de roda?



"Fui na Espanha
buscar o meu chapéu.
Azul e branco,
da cor daquele céu.

Olha a palma, palma, palma.
Olha o pé, pé é pé.
Olha a roda, roda, roda,
carangueijo peixe é.

Carangueijo não é peixe.
Carangueijo peixe é.
Carangueijo so é peixe
na enchente da maré.

Samba crioula
que veio da Bahia,
pega a criança
e joga na bacia.

A bacia é de ouro
ariada com sabão
e depois de ariada
enxuga no roupão.

O roupão é de seda,
camisinha de filó.
Cada um pega seu par
e toma a benção da vovó.
"


Não me pergunte de onde veio este post. Deve ter sido algum recado invisível que recebi (ui). Não importa. Importa a alegria que a idéia da brincadeira de roda passa. Pureza, riqueza de sentimento. Sinto-me viva - estou feliz - eis a mensagem do brinquedo de roda. De quebra, faz-me recordar o belo trabalho sobre Cantigas de Roda da minha amiguinha linda, advogada dos menores, escritora, Rebeca Duarte. Para divulgar o bom, sempre é tempo, nunca é tarde. Não vai ser fácil encontrar o trabalho, aviso - o que é bom, é raro, vocês sabem.

Bom início de semana a todos!

4 de mai de 2006

De internet

Eu nunca pensei que ia dizer isso, mas, enfim, é mais uma prova de que não se deve dizer "dessa água não beberei" : graças a Telemar (Plano de Minutos), acho que vou estar mais presente por aqui daqui em diante. É, eu sei falar mal, mas também sei falar bem. Well, o tal plano tem opção de Internet Discada Gratuita, não conta dentro da franquia de minutos do plano o que se consome em internet. Será que enfim teremos a tão falada democratização da internet? A minha
próxima conta dirá...

---------

Esquisito isso das visualizações de perfil que o Orkut adotou agora. Definitivamente. Saber que Perfumes Real veio me visitar... Hein? Bem esquizofrênico isso...

2 de mai de 2006

Oswaldo Montenegro...



... e a pergunta que não quer calar, caros leitores ...

Pru mode tanto ódio em vossos corações?

O "béchano"...

A Paloma (Duarte) gosta dele...

Está lançada a temporada de teses, por favore aperfeiçoem vossas idéias... Adispois do cumê eu penso nisso melhor, kkkkkkkkkkk...