29 de nov de 2007

Que música...

Linda e triste...

Qual a tal "condição humana" (o que me lembra indefinidamente quando descobri que estou, mera mortal, sujeita a ela, imutável que é, que nos diz quem somos e nos põe em nosso lugar).


"Música
Composição: Liminha / Vanessa da Mata

Nosso sonho
Se perdeu no fio da vida
E eu vou embora
Sem mais feridas
Sem despedidas
Eu quero ver o mar
Eu quero ver o mar
Eu quero ver o mar

Se voltar desejos
Ou se eles foram mesmo
Lembre da nossa música
Música
Se lembrar dos tempos
Dos nossos momentos
Lembre da nossa música
Música

Nossas juras de amor
Já desbotadas
Nossos beijos de outrora
Foram guardados
Nosso mais belo plano
Desperdiçado
Nossa graça e vontade
Derretem na chuva

Se voltar desejos
Ou se eles foram mesmo
Lembre da nossa música
Música
Se lembrar dos tempos
Dos nossos momentos
Lembre da nossa música
Música

Um costume de nós
Fica agarrado
As lembranças, os cheiros.
Dilacerados
Nossa bela história
Está no passado
O amor que me tinhas
Era pouco e se acabou

Se voltar desejos
Ou se eles foram mesmo
Lembre da nossa música
Música
Se lembrar dos tempos
Dos nossos momentos
Lembre da nossa música
Música
"


Pelo menos pode ser bonito.
Beleza é o que sobra de tudo. Por isso a gente tem que reverenciá-la.

Só o que sobra mesmo é portanto a arte. Isso não precisa ser triste. Melhor assim. Talvez seja a resposta que a gente não encontra. Não há vazio.

28 de nov de 2007

Você pendura a guirlanda...



... de repente, o natal chega. Aí você volta a respirar.

Filhota escutando You are the music in me ajuda.

Tomara que chegue para você também.

E fique!

23 de nov de 2007

"Beleza só se tem
quando se acende a lamparina
iluminando a alma
se entende a própria sina"
(Fagner)


A água




O corpo




O nu é belo.




São belos corpos que nos deram.




Fotos de Howard Schatz, para o livro H20.

22 de nov de 2007

Música, sempre música




Seu dia. Da Música.

Se bem que, no Maio todo dia já é.

Youtube não posta mais em blogs.

Fito Paez de presente aos passantes (Luci!) no Dia da Música.

"me gusta estar a un lado del camino
fumando el humo mientras todo pasa
me gusta abrir los ojos y estar vivo
tener que vérmelas con la resaca
entonces navegar se hace preciso
en barcos que se estrellen en la nada
vivir atormentado de sentido
creo que ésta, sí, es la parte mas pesada...
"

Ouça, veja aca

A noite de hoje

"A tristeza é o assunto mais banido da blogosfera, e percebe-se porquê: ninguém está disposto a estar triste em directo e assim acrescentar à sua tristeza o incómodo de ter de responder por ela perante os outros."
(ivan, do blog A Praia)

Verdade.

Deve ser por isso que o Maio é pouco lido, por ser triste. Não é uma queixa, mas uma constatação. Reflete a pessoa. Não que seja sempre triste, mas sou bem misturada. Em geral a hora de falar é a hora que dá tristeza. Normal, de mim.

Tampouco fiz o Maio pensando em ser muito lido, verdade. Gosto de ser lida, claro, e acho ótimos blogs profissionais, que se querem fartamente lidos, mas não é meu caso. Não faço para isso. Não é de mim. Se é bom, se é ruim? Nem uma coisa nem outra, uai.

Que escreva aquilo que talvez quisesse enunciar por voz, é óbvio. Por falta de quem dizer? Talvez. O bom convívio humano exige que não sejamos exigentes demais com os demais. Eu reconheço que sou mental em demasia, quando falo, nem sempre compreendem-me, percebo. Escrevendo é mais fácil.

Permanência, em mim, é mais próprio que volume. Em tudo na vida, de fato. É até excessivo, o sentido de permanência, e nem sempre bom.

Estava procurando a Mafalda que queria quando achei a frase inicial do post. Luva!

O grande problema da tristeza é que ela é espaçosa demais. Adere às noites e à pele. Daí necessário espantá-la, é muito gulosa.

A Mafalda que ficou foi essa.





Bah!

Viva a Mafalda.

Pronto. Daí melhoro.

-----------

Estou muitíssimo atrasada, é fato, mas agora que estou lendo HP7. Pois não li em inglês, sem tempo. E estou achando bem estranho. Beeeeeeem adulto, desaconselhado para menores! Mas a pequena tá lendo... Breve resenha no Panela.

-----------

Não tenho que escrever hoje. Só passando. O tempo.

15 de nov de 2007

Maravalhas, digo, Maravilhas. De Pernambuco.

"O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.
"
(O Guardado de Rebanhos - X
Fernando Pessoa - Poemas de Alberto Caeiro)



O JC lançou a campanha As 7 Maravilhas de Pernambuco, que é uma bela idéia para se divulgar as belezas deste "meu rio", fomentando uma forma de se ganhar dinheiro que é para mim das mais justas, agradáveis e excelentes idéias de se ser capitalista, o turismo. Divulgo aqui, contudo, principalmente não só por isto... mas por amor a terrinha!

Votem, mesmo que não conheçam, que eu dou certificado de garantia! :-)

Minhas dicas?

Votei em :

Noronha
Bairro do Recife Antigo
Praia dos Carneiros
Santuário de Cimbres
Pontes do Recife
Feira de Caruaru
Olinda

Mas votaria sem pesar algum ainda nos dois indicados Brennand (Oficina e Instituto), no Mercado de São José (retrato do Recife e seu povo!), nas Cachoeiras de Bonito, Casa da Cultura (minha adolescência!), e Praia de Boa Viagem (a melhor praia urbana do mundo, kkk! Melhor que as do Rio, Jôka, pois aqui o banho é uótimo, a água é quente!)

Não sei porque não incluiram a Rua da Aurora.



Fonte: Volunteer Brazil

Bom dia IX


Imagem captada aqui.


Adormeço com boêmios,
desperto com bem-te-vis.
Os postes ainda brilham amarelamente
suas luzes frias contra o cinza dia vindo.
Casais despedem-se do amor.
Meninos dormem em cantos menores.
Toca a canção,
gotas cantam sobre o jardim.
Pisca o semáforo
atrás da folhagem.
Vermelho.
Amarelo
Verde: bom dia.

13 de nov de 2007

Quem não cria, lê

Li este artigo do Alessando Martins, que considerei, no mínimo, bastante esclarecedor sobre coisitas que blogueiras fubecas como eu deveriam no mínimo (ops) saber o que é para dizerem que possuem um blog! "5 coisas que blogueiros ensinam aos jornalistas". Poderia ainda chamar-se (o artigo) "5 coisas que blogueiros ensinam a projetos de blogueiros". Coisas como del.icio.us, agregadores de feed(!).

Disse o que o post do Alessandro Martins era no mínimo, mas não disse o que era no máximo: um excelente post. Na verdade é um excelente blog. Adorei. Virei fã de carteirinha.

Já já vou ler o outro post. "5 coisas que jornalistas ensinam a blogueiros". A espécime necessita evoluir!

Como cheguei ao Alessandro Martins?

Lendo sobre a celeuma entre jornalistas e blogueiros em blogs diversos. Por exemplo no Inagaki.

Hum, assunto para jornalistas.

Mas eu sou assumidamente uma jornalista frustrada e nos dias em que pretendo divertir-me um tanto na rede me interesso por esse assuntos. Humpf.

Este tipo de virtualidade é mais saudável que assumir um personagem (a-va-tar, aprende, monstra) do sexo oposto, ruivo e alienígena para jogar online. Assumir sim, não meramente criar e usar. Ah, eu li sobre isto no Especial Tecnologia da Veja (Agosto/2007).

8 de nov de 2007

Dia 8

A morte aproxima os afastados. É um movimento novo na rotina dos dias. Por medo, talvez: recordamo-nos que a morte virá para todos. Ou talvez seja lembrança. Somos criaturas sem fé e memória. Lembramos dos que se foram, os cuidados vêm. A vida é exigente. Não cabe lembrar-mo-nos um dos outros sempre, no vasto universo dos que passam. Daí vem uma foto que ficará na retina por muitos e muitos dias. Talvez por isto valha a pena viver a vida sem perdas. Buscando seu sumo e trazendo para si os que se quer bem. Tendo apreço, carinho, delicadeza, suavidade. Se eu não posso te ver sempre, que ao ver-te seja gentil, alegre, zeloso da tua presença. Que eu jamais erga para ti a voz alta das minhas torturas íntimas, de meus traumas irremediáveis, de minhas frustrações legítimas, mas minhas, não suas.



Saudades dos saraus em que você cantava assim:

"Oh! tristeza me desculpe
Estou de malas prontas
Hoje a poesia
Veio ao meu encontro
Já raiou o dia
Vamos viajar.
Vamos indo de carona
Na garupa leve
Do vento macio
Que vem caminhando
Desde muito longe
Lá do fim do mar.

Vamos visitar a estrela
Da manhã raiada
Que pensei perdida,
Pela madrugada
Mas que vai escondida
Querendo brincar.
Senta nessa nuvem clara,
Minha poesia,
Anda se prepara,
Traz uma cantiga
Vamos espalhando
Música no ar.

Olha quantas aves brancas,
Minha poesia
Dançam nossa valsa,
Pelo céu que o dia
Faz todo bordado
De raio de sol.
Oh! Poesia me ajude,
Vou colher avencas
Lírios, rosas, dálias
Pelos campos verdes
Que você batiza
De jardins do céu.

Mas pode ficar tranqüila,
Minha poesia,
Pois nós voltaremos
Numa estrela guia
Num clarão de lua
Quando serenar.
Ou talvez até quem sabe,
Nós só voltaremos
No cavalo baio
No alazão da noite
Cujo o nome é raio,
Raio de luar."

(Viagem - João de Aquino/Paulo César Pinheiro)

7 de nov de 2007

Vê aí se és sabido

.

Tirei daqui. Café Preto.

Eu? Sou muito inteligeeeeeeeeeente...

----------

Continuo de mau-humor. Continuo me achando insuportável. A última das criaturas terrenas. A mais esquecida, a menos lembrada. "TI-PI-EME".

Vou falar bastante sobre prá ver se sai.

6 de nov de 2007

Os sentimentos
são seres nus que enredam seus corpos lisos entre trevas cultivadas.
Ciúme e ira se tocam, perversamente.
Amor e ódio envolvem-se em carícias contínuas,
inocentes.
A mentira, a verdade, mescladas, semeam dor.
Um mesmo turbilhão te cega.
Palavras são inúteis: não dizem nada.


----------


Às vezes chego num ponto tal de chatidão que nem eu mesmo me suporto. A única coisa que aprecio nesses momentos é que gosto do que escrevo. Aí eu melhoro.

Humpf, humpf, humpf.

Melhora, coisa (porque é muito fácil ser insuportável).

Entender o mundo não leva a nada. Melhor ver fotos antigas da Sandra Bréa. Uma mulher do tempo em que não havia silicone, botox e lipo. Nem malhação! Não colo o link das fotos por pudor, vocês que as procurem no São Google, humpf. O Maio não é De Utilidade Pública!

Vai aí só uma fotinha para fazer graça.


4 de nov de 2007

Notícias do Brasil

O Maio anda chato, vazio e sem canções novas sequer (salvo os livros na cabeceira que incluí na barra lateral), mas sua dona não. Não é preguiça. Digamos que é no aguardo de inspiração.

------------

Amanhã defesa da mono. Desejem-me sorte. Um tantinho fará bem.

------------



Cliquem na imagem que tem de onde veio (ela é minha amiga, divulgo com prazer - foi na Palpi). Lá, tem de onde veio. Vamos falar de direitos autorais (um tema chato, eu acho). Quem começou a blogar com este selo acima? Quem teve a idéia? Difícil!

Quem quiser salvaguardar seus direitos autorais, que ponha na imagem, se é que algum juiz consideraria isso suficiente numa briga verdadeira(kkkkkkkkkkkkk). Ok, ok, imagens na internet são protegidas por direitos autorais. Apenas agradeceria ser informada sobre a forma de controle destes supostos direitos autorais. Há registro? Quem me garante que todos que se arvoram em proprietários de imagens e textos o são de fato? Quem controla isso? Direitos são facas de dois gumes, aprendam, meros mortais que assim mereçam sem nomeados.

Outro dia coloquei o selo "Gentileza gera Gentileza" ao lado. Já o vi em outros blogs. Nem ligo. Eu o copiei de uma página sobre o Profeta Gentileza, a arte é dele próprio. A idéia de usá-lo como selo creio ter sido minha. Não tenho certeza. Difícil ter certeza neste ambiente dos blogs. E aí, como ficamos? Não ficamos. Aqui no Maio há poemas meus, de minha autoria. Corro o risco ver um livro de fulaninho(a) com os pobres poemas ali contidos? Corro. Não fiz nada para protegê-los. Estão na internet, um ambiente livre, sim, com direitos autorais protegidos por lei, mas direito necessita de prova, jamais esqueçam. E olha: no dia que eu quiser fazer qualquer coisa seriamente, não será num blog que eu postarei. Sorry. Conselho se dá, ouve quem quer.

Ademais, cá entre nós, caros colegas, vamos nos proteger de quem realmente oferece perigo, kkkk, não desta modesta blogueira que vos fala.

Resumidamente, pois: alguns acontecimentos para mim apenas esboçam um sinal de explícita grosseira insensata. Com a qual já perdi tempo em demasia. Me poupem. Não é por isso que tenho escrito pouco.

------------

A propósito: gostei deste cartaz, mas não gostei de outros que constam no site indicado no selo. Entrem por própria conta e risco e avaliem. Tirem suas conclusões.

------------

Vamos falar de gentileza porque GENTILEZA GERA GENTILEZA e VIOLÊNCIA GERA VIOLÊNCIA.

Cliquem e saibam o que é Gentileza. Sei lá, se quiserem, que quem tem filho barbado é gato. Humpf. :-P.