25 de out de 2006

Conselhos ao findar da tarde

Se conselho fosse coisa que prestasse, se vendia, mas vamos lá. A Sweet é confiável.

Uma foto para eternizar o momento, como seria nos piores cartões de amor.



Tenha prazer ao alimentar-se, isto é muito importante. Só quem já perdeu a fome sabe a importância que há nesta faculdade humana. Animais comem por necessidade. Não comemos por necessidade apenas. Ter paladar é estar vivo, é não ser um suicida.

Durma. Pelo amor de Deus, durma. "A noite foi feita para dormir”, dizia um filósofo que conheci (“Nem tudo em torno do buraco é beira", ele também dizia). Não dormir é degradar tudo que Deus nos concedeu. A noite não é escura à toa. Não dormir é afronta e açoite. Uma atitude nada bela, e devoradora. Os bichos sabem disso; nós, bestas humanas, é que desaprendemos a lição. Por isso, se precisar, tome remedinho (mas não acostume), mas durma. Lembre como mamãe ensinou quando você era bebê. Crianças não sabem dormir, muitas. Ficam numa excitação de dar dó. Tem que ficar calma. Respirar. Luz apagada. Tem que ter mão quentinha, sentir a lembrança da respiração materna, recorde a dela. Ainda não tem para vender, mas arranjem uma penseira*. Fictícia que seja, mas arranjem. Essa parte é essencial.

Jamais se prive daquilo que lhe agrada em benefício de livrar-se de sentimentos indesejáveis. Entenderam? Melhor que sim, porque não vou explicar mais que isso. O fato é que essa estratégia não funciona, simplesmente. Acaba você sem fazer nada que goste, e para quê? Punir-se, o que é uma bosta. Deixe isso pro povo da Opus Deis, pela mãe do guarda.

Este negócio de internet, cá entre nós, é coisa de doido, e paranóico. Se ainda puderem, esqueçam. Blog, nem pensar. Com o tempo, você vai aprendendo mais, e vai se afundando, pode crer. Eu ando meio arrependida de tudo isso. Como eu disse, isso é conselho. Que eu dou para mim mesma, muitas vezes. Querendo, aproveitem.

Agora, se não tiver mais jeito (eu disse que blog é coisa de louco, continuam a ler por própria conta e risco), leiam a Fal. A Fal e Os Malvados. E a Ithildin também. Tutti buona gente.

Arranje um bicho para observar. Nem que seja seu filho. Eu ando a dias maluca com a idéia de ver meu passarinho chegando aqui ao galho (o danadinho continua solteiro - segundo alguém que mora comigo e entende tudo de aves, conforme reza a lenda - quando alguma passarinha lhe der mole ele sumirá, o ingrato). Mas não tenho aquelas câmeras supimpas da Discovery Channel para postar na varanda, e tenho mais que fazer todo dia após as dezessete. A propósito, alguém sabe a hora exata em que os passarinhos dormem? Porque eles acordam às quatro e meia da matina, eu já contei no relógio.

Não tenho mais nenhum conselho para dar. Ainda bem, né? Podem respirar agora.


*Aos não iniciados na literatura potteriana: penseira é o objeto mágico onde Dumbledore deposita seus pensamentos e memórias, para organizá-los. É uma bacia mágica, sacumé? Meu sonho de consumo mais precioso, cá entre nós... Até já sonhei que um dia inventarão um chip que fará algo assemelhado...


A Penseira.

Nenhum comentário: