21 de jan de 2009

Qual a pior sensação possível?

Ser observado é péssimo, e o Big Brother apenas confirma em mim esta certeza. Afinal, você acha que haveria alguém ali se não houvesse o milhão de reais? Você já foi monitorado ao computador? E quando recebe aquela multa com foto de seu carro, a placa em letras garrafais? Triste... Para as mulheres: perceber que a menstruação vazou, e muito, aaaaaaaaaarrrggghhhhh! A dúvida sobre se foi visto é que nos atormenta mais. Se você foi a última a saber, então seu mundo caiu, definitivamente. Soltar um punzinho e precisar fingir de morto: horrível.

São coisinhas com as quais a idade ensina a lidar mais naturalmente. Aprender a envelhecer, já pensei tantas vezes, é a arte de sorrir com os próprios defeitos e erros, já que a velhice praticamente impede aos meros mortais de escondê-los (o que não procede para algumas artistas como Christiane Torloni e Madonnas, claro). Contudo, embora a percepção alheia da nossa velhice esteja sem dúvida em minha lista de piores sensações, velhice não é o tema por aqui, por mais que mie o tempo todo a minha porta, como diria algum poeta esquecido.

Para algumas criaturas, ser acordado no horário incorreto, ou seja, logo cedo, é o que há de pior. Para mim não é fácil falar disto, porque sou do grupo dos bem-humorados matinais, mas claro que conheço quem não se expresse verbalmente antes das 10 da manhã. É bem estranho, pode crer, parece antipatia, o que não é.

Para a grande maioria das pessoas não poder comprar o que se deseja é o primeiro do ranking. Também sou suspeita neste tópico: se posso compensar com um item mais barato, vai. Se não posso comprar nada, passa logo. Vá lá, vou confessar: sou do time das muquiranas, uma amiga ausente foi quem descobriu. Mas tenho minhas desarmonias neste campo, e meus surtos, lógico. Tudo controlável.

Não concluir aquilo se deseja no momento desejado, taí uma sensação péssima (o post perdeu-se em parte na noite dos tempos, percebam...). A pior sensação? É sempre aquela que estamos vivendo.

Você, o que pensa do assunto?

Nenhum comentário: