30 de jan de 2013

Esta dor não é sua, é minha. Quem me entende é ela, quem a entende sou eu. Esta dor esbraveja, eu grito. Lutamos sem regras e sem precipício. No fim estrebucham as duas, eu de cá, ela de lá. Ninguém venceu, mas estancou.

Nenhum comentário: