21 de set de 2009




O que há é tormenta
no profundo,
escuro, calmo
em que me lanço.
Mansidão de superfície só.
Oceano
que desconheço.

Nenhum comentário: